Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução.

Todo o conteúdo deste blog (incluindo textos e imagens) é de propriedade de sua autora e estão protegidos pela Lei de Direitos Autorais Nº 9.610 de 19 de fevereiro de 1998 e pelo Artigo 184 do Código Penal Brasileiro.

Agora é Lei - O Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa está em vigor desde 01/01/2016.
Para cursos "in company" sobre as alterações promovidas pelo Acordo Ortográfico, entre em contato pelo e-mail sandra.terciotti@gmail.com


sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Cujo ou no qual?


No jornal da Globo de 15/11, o presidente de um conselho de pesquisa disse o seguinte:

"São todos temas de pesquisa na qual a solução está diante de nosso olhos."

Mais uma vez o problema é o mau uso do pronome relativo que compromete a coesão da sentença. Nesse caso, o autor da frase deveria ter usado o cuja e não o na qual, porque este faz referência ao termo antecedente, e aquele faz referência ao termo consequente, ou seja, ao termo que vem imediatamente depois dele. Como esses dois pronomes relativos são excludentes, quando se usa um, não se pode usar o outro.

O cujo (ou cuja) deve ser usado sempre que houver uma ideia de posse. No exemplo, há essa ideia de posse, pois a sentença se refere à solução da pesquisa. A preposição da indica o possuidor (da pesquisa) e a coisa possída (solução). 

Além de indicar posse, o cujo precisa ter antecedente e consequente diferentes e jamais deve ser seguido de artigo definido (o(s), a(s)), porque já traz esse artigo (cujo, cuja) dentro de si.

Um abraço e até a próxima.
Sandra Helena

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adicione seus comentários e/ou perguntas. Todos os comentários aqui postados são liberados após aprovação do moderador.