Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução.

Todo o conteúdo deste blog (incluindo textos e imagens) é de propriedade de sua autora e estão protegidos pela Lei de Direitos Autorais Nº 9.610 de 19 de fevereiro de 1998 e pelo Artigo 184 do Código Penal Brasileiro.

Agora é Lei - O Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa está em vigor desde 01/01/2016.
Para cursos "in company" sobre as alterações promovidas pelo Acordo Ortográfico, entre em contato pelo e-mail sandra.terciotti@gmail.com


quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

“A nível de” ou “ao nível de”?



Já se falou na televisão que um determinado jogador de futebol estava “com uma contusão a nível de joelho”. Nesse caso, o correto seria afirmar que o jogador estava “com uma contusão no joelho” e não “a nível de joelho”.

A expressão a nível de é um modismo horroroso que deve ser evitado. Pode ser substituída por em/no/na, como no exemplo acima; por locuções como de acordo com/relativamente a/no tocante a/com referência a/na esfera/no âmbito/na área (“A nível de economia, o país vai de vento em popa” por “Na área econômica, o país vai de vento em popa”); por um adjetivo (“Reunião a nível de gerência” por “Reunião gerencial”; “Resolução a nível de governo” por “Resolução governamental”); ou pode simplesmente ser suprimida em prol do português bem falado e bem escrito.

Ao nível de significa à mesma altura de/à altura de/no mesmo plano que, por isso, seu emprego na oração “Guarujá está ao nível do mar” está perfeitamente correto.

Um abraço e até a próxima.
Sandra Helena

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Qual é a abreviatura de “horas”?



Segundo o Quadro Geral de Unidades de Medida do INMETRO, de 2007, o símbolo ou a abreviatura para “hora” é apenas e tão somente h, com letra minúscula e sem ponto final, a menos que essa abreviatura venha em final de frase ou período. Exemplo:

O jantar normalmente é servido às 20h.

Nesse caso, o ponto que aparece imediatamente após o símbolo de horas corresponde ao sinal de pontuação (.) com que se encerra uma frase ou um período e não ao ponto que se usa logo após algumas abreviaturas.

Retomando nosso exemplo, caso o jantar tivesse sido servido às 20h30, poderíamos grafar as horas de duas formas:

O jantar normalmente é servido às 20h30.

Ou ainda:

O jantar normalmente é servido às 20h30min.

Também nesse caso, o ponto que aparece imediatamente após a abreviatura de “minuto” corresponde ao ponto final, já que, tal como ocorre em relação à “hora”, o símbolo que indica “minuto” (e mesmo o símbolo que indica “segundo”, que é apenas s) não deve vir acompanhado do ponto indicativo de abreviatura.

Não devemos, no entanto, usar dois pontos entre horas e minutos ou entre minutos e segundos, porque o uso de dois pontos corresponde ao sistema usado pela língua inglesa para separar horas, minutos e segundos (20:30:50) e não ao sistema da língua portuguesa.

Optemos, portanto, pelo nosso próprio sistema!

Um abraço e até a próxima.
Sandra Helena


terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Suicidar ou suicidar-se?



Embora o sui signifique de si e equivalha ao prefixo grego autós, o verbo suicidar-se sempre foi pronominal, ou seja, sempre fez-se acompanhar do pronome reflexivo se.

Para justificar a presença do pronome se em um verbo que já traz esse pronome em seu prefixo, José Maria da Costa, em seu Manual de Redação Profissional (2007), coloca duas citações de dois importantes estudiosos da língua portuguesa – Cândido de Figueiredo e Domingos Paschoal Cegalla –, citações essas que transcrevo abaixo:

“[...] em suicidar já consideramos de fato uma ação reflexa; mas como esse verbo, sem o pronome se, nunca existiu em português, pouco importam as nossas filosofias, e temos de aceitar os fatos incontestáveis da linguagem. Suicidar-se é fato corrente e constante nos vários períodos da nossa língua, e não temos que corrigi-lo. Aquela suposta redundância não é coisa insulada na história da língua.” [CF]

“a língua nem sempre se submete ao jugo da lógica.” [DPC]

Aliás, para confirmar a citação de Cegalla, basta nos lembrarmos de que, etimologicamente falando, o sentido do vocábulo caligrafia é boa letra, bom estilo e nem por isso é incorreto ou redundante falar ou escrever Ele tem um boa (ou bela) caligrafia, visto que se perdeu por completo o sentido etimológico dessa palavra.

Um abraço e até a próxima.
Sandra Helena

Mega-sena ou megassena?



Segundo as novas regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, em vigor no Brasil desde 1º de janeiro de 2009, o vocábulo megassena deveria ser grafado sem hífen e com dois s, já que, pela nova regra, as palavras cujo primeiro elemento termina em vogal e o segundo começa com s ou r devem perder o hífen e ter o s ou o r dobrados. No entanto, até hoje, os volantes disponíveis em todas as casas lotéricas do país continuam a apresentar a grafia antiga.

Embora saibamos que, no Brasil, teremos até 31 de dezembro de 2012 para adotarmos as novas regras do Acordo, já não é sem tempo de a grafia de megassena ser atualizada.

Um abraço e até a próxima.
Sandra Helena