Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução.

Todo o conteúdo deste blog (incluindo textos e imagens) é de propriedade de sua autora e estão protegidos pela Lei de Direitos Autorais Nº 9.610 de 19 de fevereiro de 1998 e pelo Artigo 184 do Código Penal Brasileiro.

Agora é Lei - O Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa está em vigor desde 01/01/2016.
Para cursos "in company" sobre as alterações promovidas pelo Acordo Ortográfico, entre em contato pelo e-mail sandra.terciotti@gmail.com


sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Uso da mesóclise

Você se lembra do que é mesóclise? É a colocação do pronome oblíquo átono - o(s), a(s), lo(s), la(s), no(s), na(s) e lhe(s) - no meio do verbo. E a mesóclise só pode ocorrer com os dois futuros do indicativo – futuro do presente e futuro do pretérito - , excetuando-se todos as demais formas verbais. Além disso, ela deve ser usada apenas e tão somente na escrita de textos formais, visto que seria impróprio seu uso na comunicação oral.
Há duas condições que precisam existir para que a mesóclise ocorra: a) a primeira é a presença dos dois futuros do indicativo; b) a segunda é que, se não houver antes dessas duas formas verbais alguma partícula (palavra ou expressão) que justifique o uso da próclise (colocação do pronome oblíquo átono antes do verbo),  em hipótese alguma o pronome oblíquo poderá ser empregado em posição de ênclise (colocação do pronome oblíquo átono depois do verbo). A despeito disso, em 05/12/2012, a versão eletrônica de um importante jornal de São Paulo apresentava o seguinte trecho:
“Depois, abriria-se um prazo para que quem se julgasse injustiçado por ter ficado de fora da universidade pudesse recorrer.”

Ora, abriria é futuro do pretérito do indicativo do verbo abrir. Considerando-se: a) que o verbo vem imediatamente após a vírgula e que  não se  usa pronome oblíquo átono logo após a vírgula; b) que não há nenhuma palavra ou expressão que chame a próclise; c) que não se pode usar ênclise com os dois futuros do indicativo, não restaria a quem escreve outra alternativa a não ser o uso da mesóclise. Portanto, o trecho deveria ficar assim:
“Depois, abrir-se-ia um prazo para que quem se julgasse injustiçado por ter ficado de fora da universidade pudesse recorrer.”


Um abraço e até a próxima.
Sandra Helena