Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução.

Todo o conteúdo deste blog (incluindo textos e imagens) é de propriedade de sua autora e estão protegidos pela Lei de Direitos Autorais Nº 9.610 de 19 de fevereiro de 1998 e pelo Artigo 184 do Código Penal Brasileiro.

Agora é Lei - O Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa está em vigor desde 01/01/2016.
Para cursos "in company" sobre as alterações promovidas pelo Acordo Ortográfico, entre em contato pelo e-mail sandra.terciotti@gmail.com


quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Trema



Vejam o que está circulando na internet sobre o trema:

“Despedida do Trema
Eu, Trema, estou indo embora. Não há mais lugar para mim. Você pode nunca ter reparado em mim, mas eu estava ali, na Anhangüera, nos aqüíferos, nas lingüiças, por mais de quatrocentos e cinqüenta anos. Mas os tempos mudaram. Inventaram uma tal de reforma ortográfica, e eu simplesmente caí fora. Fui expulso para sempre do dicionário. Seus ingratos! Isso é uma delinqüência de lingüistas grandiloqüentes! Os outros pontos e o alfabeto não me deram o menor apoio. A letra U se disse aliviada porque vou finalmente sair de cima dela. O dois pontos disseram que sou um preguiçoso que trabalha deitado enquanto eles ficam em pé. Até o cedilha foi a favor da minha expulsão, aquele C medroso que fica se passando por S e nunca tem coragem de iniciar uma palavra. E também tem aquele obeso do O e o anoréxico do I. Desesperado, tentei chamar o ponto final para trabalharmos juntos, fazendo um bico de reticências, mas ele negou, sempre encerrando logo todas as discussões. Será que se deixar um topete moicano posso me passar por aspas? A verdade é que estou fora de moda. Quem está na moda são os estrangeiros, é o K e o W, "Kkk" para cá, "www" para lá. Até o jogo da velha, para o qual ninguém nunca ligou, virou celebridade nesse tal de Twitter, que erroneamente, aliás, alguns afirmam que se deveria chamar TÜITER. Chega de argüição, mas estejam certos, seus moderninhos: haverá conseqüências! Chega de piadinhas dizendo que estou "tremendo de medo". Tudo bem, vou-me embora da língua portuguesa. Foi bom enquanto durou. Vou para o alemão, pois lá eles adoram os tremas. E um dia vocês hão de sentir saudades de mim. Não vão agüentar! Ver-nos-emos nos livros antigos. Parafraseando Getúlio Vargas, saio da língua para entrar na História.
Adeus,
Seu Trema”

Como esse texto está circulando pela internet, falemos um pouco sobre o trema. 

O trema não é um acento, mas um sinal diacrítico usado em diversas línguas, como o alemão, o turco, o romeno, entre outras. Sinal diacrítico é o sinal gráfico que se acrescenta a uma letra para dar-lhe novo valor fonético e/ou fonológico.  

Em Portugal, o trema já não era usado desde a reforma ortográfica de 1945. No Brasil, deixou de ser usado na escrita, mas não na pronúncia, a partir de 1º de janeiro de 2009, quando entrou em vigor o  mais recente Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.  

Na língua portuguesa, o trema era usado apenas nos grupos GUE, GUI, QUE e QUI para marcar o U pronunciado e átono dos vocábulos. Por isso, não havia trema em “queijo”. Nessa palavra, o Q e o U formam um dígrafo (grupo de letras que representa um único fonema), e o U não é pronunciado, já que não se diz /kueijo/. Por isso, igualmente, palavras que contêm os grupos GUA (água), GUO (águo), QUA (aquarela) e QUO (aquoso) jamais tiveram trema. Quando o U era pronunciado e tônico, usava-se o acento agudo, como ocorria no presente do indicativo do verbo “arguir”:

Eu arguo
Tu argúis
Ele argúi
Nós argüios
Vós argüis
Eles argúem

Note que, na segunda e terceira pessoas do singular, o U, além de ser pronunciado, é tônico, razão pela qual recebia, até janeiro de 2009, acento agudo, enquanto a primeira e segunda pessoas do plural recebiam trema porque apresentam U pronunciado e átono. Agora, quando flexionado no presente do indicativo, esse verbo não mais apresenta acento agudo nem trema. 

Vale ressaltar, no entanto, que a pronúncia das palavras que continham trema permanece a mesma, ou seja, continuaremos a comer “lingüiças”, a ver “pingüins”, a receber “qüinqüênios” e a ter de “agüentar” muita coisa...

Um abraço e até a próxima!
Sandra Helena

       
  

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Combinações pronominais


 
Veja o que ocorre nesta sentença, retirada do último romance de um escritor português contemporâneo:

“Escreveu um nome e um número no papel e estendeu-lho.”
Nela, ocorre o que denominamos combinação pronominal que nada mais é do que a fusão entre os dois pronomes oblíquos que substituem o objeto direto e indireto que complementam o verbo “estender”. Por ser bitransitivo, o verbo “estender” necessita dos dois objetos: do direto e do indireto, pois quem “estende, estende alguma coisa (objeto direto) a alguém (objeto indireto)”. O “lho” da sentença acima corresponde à combinação do pronome oblíquo (o), que substitui o objeto direto “papel”, e do pronome oblíquo (lhe), que substitui o objeto indireto “a ele”.

A língua portuguesa permite as seguintes combinações pronominais:

Me + o = mo (ma, mos, mas)
Te + o = to (ta, tos, tas)
Lhe + o = lho (lha, lhos, lhas)
Nos + o = no-lo (no-la, no-los, no-las)
Vos + o = vo-lo (vo-la, vo-los, vo-las)
Lhes + o = lho (lha, lhos, lhas)

Se, no entanto, o objeto direto ou o objeto indireto vier expresso na sentença, a combinação não poderá ocorrer. Retomando a sentença que nos serve de exemplo, teríamos as seguintes possibilidades:

1) “Escreveu um nome e um número no papel e estendeu-lhe o papel” – na qual o objeto indireto está na forma pronominal e o direto vem expresso. 

2) “Escreveu um nome e um número no papel e estendeu-o a ele” – na qual o objeto direto está na forma pronominal e o indireto vem expresso.

Como vemos, nenhuma das duas opções é tão boa quanto a escolhida pelo escritor português: na primeira, temos a repetição desnecessária do vocábulo “papel”, o qual até poderia ser substituído por um sinônimo, como “manuscrito”, mas tornaria a sentença mais prolixa; na segunda”, a posposição do pronome oblíquo “o” ao ditongo “eu” leva à junção de um ditongo e de duas vogais (“estendeu-o a ele”), comprometendo a eufonia e atrapalhando a compreensão.

Embora as combinações pronominais sejam mais comuns entre os portugueses do que entre nós, brasileiros, nada nos impede de também as empregarmos para tornar nosso texto mais conciso e erudito. 


Um abraço e até a próxima!
Sandra Helena




























quinta-feira, 20 de junho de 2013

Vírgula e mudança de sentido

Para preserver identidades pessoais e institucionais, o texto abaixo foi adaptado de um cartaz de protesto. 

Vejam se conseguem entender a mensagem:

“Professor Beltrano Superintendente Geral, pedimos que se junte a nós contra a luta demonstrando qual a sua posição. Com os últimos acontecimentos da semana que logo publicaremos mais que nunca precisamos do senhor ao nosso lado. Podemos contar com isso?”

Do modo como está escrito,  esse texto está totalmente caótico e, por isso mesmo, sem sentido. Mas se colocarmos as vírgulas que estão faltando e que, nesse caso, seriam obrigatórias, o texto torna-se inteligível e passa a fazer sentido. Observem:

“Professor Beltrano, Superintendente Geral, pedimos que se junte a nós contra a luta, demonstrando qual a sua posição. Com os últimos acontecimentos da semana, que logo publicaremos, mais do que nunca precisamos do senhor ao nosso lado. Podemos contar com isso?”

Notaram a diferença? Ficou bem mais inteligível, não é mesmo?!

Agora, vejamos as explicações de cada uma das vírgulas empregadas. 

A vírgula que separa BELTRANO de SUPERINTENDENTE GERAL deve ser empregada porque separa o vocativo PROFESSOR BELTRANO de seu aposto SUPERINTENDENTE GERAL; a virgula que separa LUTA de DEMONSTRANDO também deve ser empregada porque separa a oração principal PEDIMOS QUE SE JUNTE A NÓS CONTRA A LUTA de sua subordinada de gerúndio DEMONSTRANDO QUAL A SUA POSIÇÃO – embora essa vírgula não seja obrigatória, visto que a reduzida vem depois e não antes da principal, recomendamos seu emprego em prol da clareza; as duas últimas vírgulas do parágrafo também devem ser empregadas para separar a oração subordinada adjetiva explicativa QUE LOGO PUBLICAREMOS, que está intercalada entre o adjunto adverbial de causa COM OS ÚLTIMOS ACONTECIMENTOS DA SEMANA e a oração principal MAIS DO QUE NUNCA PRECISAMOS DO SENHOR AO NOSSO LADO. Além das vírgulas, precisamos acrescentar o DO à conjunção comparativa MAIS QUE.

Viram como a falta de vírgulas essenciais à compreensão compromete o sentido do texto?

Um abraço e até a próxima,
Sandra Helena



    

quarta-feira, 19 de junho de 2013

"Reprovamento"


Veja o "e-mail" abaixo:
“Prezado prof.beltrano,
meu nome é Fulano de Tal, cujo CI seria XXXXXX. venho por meio deste email, solicitar gentilmente que verifique/revise minha nota de prova feita se não me engano no dia 00/00/0000 na sala X de administração. cuja a mesma saiu de modo incorreto no meu sistema de notas na intranet, e prejudicou meu semestre apresentando um devido “reprovamento”, por isso peço encarecidamente que se possível responda este e-mail o quanto antes para que devidas ações sejam tomadas.

grato.”
Esse “e-mail” foi enviado a um professor por um de seus alunos. 

Para que pessoas e instituições fossem preservadas, foram alterados alguns dados dessa mensagem cujo texto apresenta uma série de problemas de ordem sintática e semântica, a saber:

a) O primeiro problema já aparece no vocativo da mensagem: parte do vocativo foi grafada em letra minúscula, além de não apresentar espaço entre “Prof.” e o nome do destinatário.

b) O início do primeiro e do segundo período do “e-mail”, bem como o agradecimento final, também foram escritos com letra minúscula, contrariando a norma segundo a qual os períodos que constituem um texto (empresarial, acadêmico, jornalístico) devem, necessariamente, ser iniciados com letra maiúscula, exeção feita a textos literários (poema, músicas) nos quais os autores têm liberdade para sobrepor o estilo artístico e individual à norma. É o que se observa, por exemplo, na poesia concreta. Ainda no primeiro período, o autor usa “cujo RA seria...”. Por que “seria” e não “é”? Acaso o aluno ainda tem dúvida quanto ao número de seu CI (código de identificação) depois de ter cursado todo um semestre letivo? Ao usar o futuro do pretérito do indicativo, o autor passa ao leitor a impressão de que não tem certeza do número de seu CI, pois o futuro do pretérito do indicativo, bem como os tempos verbais do modo subjuntivo, são empregados quando se deseja expressar “dúvida, hipótese, desejo”. Por isso, o autor do “e-mail” deveria ter empregado o verbo “ser” na terceira pessoa do singular do presente do indicativo (“é”), modo verbal que tem a função de indicar certeza e objetividade.  

c) O uso do chavão “venho por meio deste(a)” deve ser evitado a todo custo, pois é o tipo de frase que não acrescenta absolutamente nada de útil à informação que se deseja transmitir, além de enfear a mensagem. Além disso, não deveria haver uma vírgula entre “email” - com hífen e entre aspas (por ser palavra estrangeira usada em um texto em vernáculo) – e “solicitar”. Ainda em relação a esse período, o autor deveria ter colocado entre vírgulas a expressão “se não me engano”, bem como o dia da realização da prova, para separar os adjuntos adverbiais que se encontram encadeados; ter substituído a expressão “no dia 00/00/000” por “em 00/00/0000”; e ter usado inicial maiúscula em “administração” por ser o nome de um curso de graduação. 

d) O último período do “e-mail” é o que mais apresenta incorreções. A primeira se refere ao uso de “cuja a mesma” no início do período. Os pronomes relativos jamais podem ser usados em início de período, pois têm a sua função de ligar termos de uma mesma sentença ou termos de diferentes sentenças de um mesmo período. Além disso, os pronomes relativos “cujo(os) / cuja(as)” não podem vir seguidos de artigos definidos (o, os, a, as), pois esses pronomes já trazem em si  marca de gênero (feminino/masculino) e número (singular/plural). Portanto, “cujo(s) o(s)” ou “cuja(s) a(s)” simplesmente não existe! Aliás, o pronome “cuja” usado no “e-mail” não apresenta qualquer referente, ou seja, não se liga a coisa alguma, já que o elemento ao qual deveria se referir (nota da prova) ficou no período anterior, e não pode haver essa distância entre o pronome relativo e o termo ao qual ele se refere. Também não deveria haver vírgula entre “intranet” e “e prejudicou”, pois ambas têm como sujeito “a mesma”. A vírgula entre “’reprovamento’” e “por isso” deveria ser substituída por um ponto final, pois a ideia do período encerrado por "reprovamento" já havia sido concluída. É escusado dizer que “reprovamento” não existe no léxico da Língua Portuguesa. A palavra correta é “reprovação”! As aspas, nesse caso, foram usadas não para marcar o “neologismo” criado pelo aluno, mas sim para enfatizar a reprovação deste

e) Além dos problemas de ordem semântica, que serão abordados no próximo item, a expressão “se possível”, presente no último período, deve vir separada por duas vírgulas, por ser uma oração subordinada adverbial condicional interferente (ou intercalada).

f) O “e-mail” também contém vários problemas semânticos. Ao longo de sua mensagem, o aluno mistura expressões de etiqueta linguística (“solicitar gentilmente”, “peço encarecidamente”, “se possível”) a verbos no imperativo (“verifique/revise”) e expressões de cunho autoritário e ameaçador (“o quanto antes para que devidas ações sejam tomadas”). Além disso, afirma que sua nota “saiu de modo incorreto no meu sistema de notas na intranet”, confundindo nota incorreta com nota insuficiente para aprovação.

Escrevendo assim será difícil persuadir o professor a revisar a nota, e o aluno dificilmente conseguirá a tão almejada aprovação!

Um abraço e até a próxima!
Sandra Helena

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Vírgula e mudança de sentido

O texto abaixo foi adaptado de um cartaz. Vejam se conseguem entender a mensagem:


“Professor José Diretor Geral, pedimos que se junte a nós na luta demonstrando qual a sua posição. Com os últimos acontecimentos da semana que logo publicaremos mais que nunca precisamos do senhor ao nosso lado. Podemos contar com isso?”
 

Do modo como está escrito,  esse texto está totalmente caótio e, por isso mesmo, sem sentido. Mas se colocarmos as vírgulas que estão faltando, o texto passa a fazer sentido. Observem:

“Professor José, Diretor Geral, pedimos que se junte a nós  na luta, demonstrando qual a sua posição. Com os últimos acontecimentos da semana, que logo publicaremos, mais do que nunca precisamos do senhor ao nosso lado. Podemos contar com isso?”
Notaram a diferença? Ficou bem mais claro, não é mesmo?!
Agora, vejamos as explicações de cada uma das vírgulas empregadas.

A vírgula que separa JOSÉ de DIRETOR GERAL deve ser empregada para separar o vocativo PROFESSOR JOSÉ de seu aposto DIRETOR GERAL; a virgula que separa LUTA de DEMONSTRANDO também deve ser empregada para separar a oração principal PEDIMOS QUE SE JUNTE A NÓS NA LUTA de sua subordinada reduzida de gerúndio DEMONSTRANDO QUAL A SUA POSIÇÃO – embora essa vírgula não seja obrigatória, visto que a reduzida vem depois e não antes da principal, recomendamos seu emprego em prol da clareza -; as duas últimas vírgulas do parágrafo também devem ser empregadas para separar a oração subordinada adjetiva explicativa QUE LOGO PUBLICAREMOS intercalada entre o adjunto adverbial de causa COM OS ÚLTIMOS ACONTECIMENTOS DA SEMANA e a oração principal MAIS DO QUE NUNCA PRECISAMOS DO SENHOR AO NOSSO LADO.
 
Além dessas vírgulas, precisamos, nesse caso, acrescentar o DO à conjunção comparativa MAIS QUE: MAIS DO QUE.

Viram como a falta de vírgulas essenciais à compreensão compromete o sentido do texto?

Um abraço e até a próxima,
Sandra Helena