Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução.

Todo o conteúdo deste blog (incluindo textos e imagens) é de propriedade de sua autora e estão protegidos pela Lei de Direitos Autorais Nº 9.610 de 19 de fevereiro de 1998 e pelo Artigo 184 do Código Penal Brasileiro.

Agora é Lei - O Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa está em vigor desde 01/01/2016.
Para cursos "in company" sobre as alterações promovidas pelo Acordo Ortográfico, entre em contato pelo e-mail sandra.terciotti@gmail.com


terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Mega-sena ou megassena?



Segundo as novas regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, em vigor no Brasil desde 1º de janeiro de 2009, o vocábulo megassena deveria ser grafado sem hífen e com dois s, já que, pela nova regra, as palavras cujo primeiro elemento termina em vogal e o segundo começa com s ou r devem perder o hífen e ter o s ou o r dobrados. No entanto, até hoje, os volantes disponíveis em todas as casas lotéricas do país continuam a apresentar a grafia antiga.

Embora saibamos que, no Brasil, teremos até 31 de dezembro de 2012 para adotarmos as novas regras do Acordo, já não é sem tempo de a grafia de megassena ser atualizada.

Um abraço e até a próxima.
Sandra Helena

6 comentários:

  1. Bem, Sandra Helena, quanto à mudança de Mega-Sena para Megassena, por parte do governo, veja-se o Hino Nacional. Há erros ali nunca dantes removidos. Erros simples e não tão simples.
    E o que falar dos advogados, das leis que eles redigem...
    Bem, façamos o seguinte: mudemos nós e os outros que venham atrás, se conseguirem.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Herculano,
      É isso mesmo, façamos o certo, para suscitar dúvida nos que ainda não adotaram as regras do Novo Acordo Ortográfico, e haverá um momento em que estes se familiarizarão e passarão a adotá-lo.
      Abraço,
      Sandra Helena

      Excluir
  2. Desculpe discordar da ilustre doutora, mas Mega-Sena será sempre dessa forma escrita, se a Caixa assim o quiser. Acontece que a Base XXI do Novo Acordo Ortográfico afirma que "Para ressalvas de direitos, cada qual poderá manter a escrita que, por costumes ou registro legal, adote na assinatura de seu nome. Com o mesmo fim, pode manter-se a grafia original de quaisquer firmas comerciais, nomes de sociedades, marcas e títulos que estejam inscritos em registro público".
    Assim, em uma prova de concurso público ou vestibular, não poderá o examinador declarar como incorreta, segundo a nova norma, a grafia da palavra Mega-Sena, já que trata-se de marca registrada pela Caixa Econômica Federal.
    O mesmo se dá com nomes próprios, como Andréia, Claudinéia, que certamente continuarão sendo grafados assim, pois a pessoa teria que recorrer aos registros públicos e solicitar a alteração, o que é obviamente improvável que aconteça.
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Caro Jefferson,
    Obrigada por suas observações tão pertinentes. É isso mesmo, por tartar-se da marca de um produto da Caixa Econômica Federal, a Mega-Sena não precisa obedecer às regras de hífen do Acordo Ortográfico. Quanto aos nomes próprios de pessoas ou empresas, embora estejam sujeitos às mesmas regras de acentuação gráfica dos nomes comuns, vale o que está no registro.
    Abraço,
    Sandra Helena

    ResponderExcluir
  4. Caríssima professora, acho que o governo deveria dar o bom exemplo: marca de produto com a grafia errada? Não é a primeira vez que a Caixa comete esse tipo de erro: Vem pra Caixa você também. Vem é forma da 2a. pessoa do imperativo afirmativo; você é pronome da 3a. pessoa. Então seria: Vem pra Caixa tu também. Deveria grafar Megassena, qual o problema, dar mau exemplo é costume dos mentirosos. Abs.

    ResponderExcluir
  5. Caro Ubirajara,
    "Vem", de fato, está na segunda pessoa do Imperativo Afirmativo. No entanto, apesar de funcionar como forma de tratamento de segunda pessoa, o pronome "você" leva o verbo para a terceira pessoa. Mas concordo com você quanto ao "pra", corruptela de "para". Embora as propagandas publicitárias usem a linguagem coloquial para aumentar seu poder de persuasão sobre o consumidor potencial, priorizando a função apelativa da linguagem, acho que, desse modo, afasta ainda mais os falantes nativos da norma-padrão da língua, acentuando ainda mais o abismo que existe no Brasil entre a norma culta e coloquial. Quanto à Mega-Sena, o problema está justamente no fato de ser uma marca com inscrição no registro público.
    Abraço,
    Sandra Helena

    ResponderExcluir

Adicione seus comentários e/ou perguntas. Todos os comentários aqui postados são liberados após aprovação do moderador.